Música pelas vielas...



Música pelas vielas...

As ondas sonoras viajam pelo ar até meus ouvidos, meu cérebro decodifica estas ondas e alimenta meu coração, este por sua vez bate rápido e suscita minha criatividade a movimentar meus dedos a passear sobre o papel com uma caneta, esboçando sentimentos e sensações através de frases!

Caminho entre as vielas do meu ser fugindo do que fui e correndo adiante para o que serei, no hoje sou um guerreiro e amanhã um conquistador.

Minha guerra é contra o tempo, contra a vontade de retroagir, o normal de qualquer ser humano.

Mas eu alimento meus ouvidos uma vez mais e lá começa ele a bombear sangue para a minha alma.

Preso como se fosse em cativeiro me mantenho para o bem de outros, de muitos que eu nem conheço.

Como um lobo solitário vago pelas periferias de minha alma recolhendo o que deixei cair no caminho.

Me levanto o continuo a trilhar e a reparar o que foi perdido.

Estou saindo das vielas, meus dedos insistem em escrever...

Vejo longas ruas de um futuro maravilhoso que me espera, mas só chegarei lá se não desistir.

Minha alma clama por exalar em seus poros as letras deste texto, sinto o suor do meu rosto escorrendo, a ansiedade luta em querer me saquear, mas há muito fui esbofeteado por ela até aprender a não ser mais seu refém.

Sim, existe uma saída, existe uma paz que excede a todo entendimento, existe alguém que olha lá de cima e estende suas mãos aos corações aflitos.

ELE me encontrou na sargeta de meu interior e me refez, me transformou em um guerreiro, em um algoz da desesperança, onde não se permite levar desesperança a outros.

Mas estou aqui de pé, tentando parar de escrever e hávido por novos dias onde o cárcere será aberto, onde o lobo poderá correr livremente pelo mundo.

Estas linhas descrevem o caminho que a nossa mente faz em muitas de nossas batalhas pessoais silenciosas.

Não desisto, pois sou imparável!!
Se Deus é por nós, quem será contra nós!!!

Autor: Anderson Ribeiro Sousa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vale do Trovão

A represa!

Quando te Conheci