Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2019

Porque subimos?

Imagem
Porque subimos? Esta é a pergunta que a montanha nos faz. O que procuramos? O que buscamos? O que esperamos? Muitos sobem em fuga de algo que os assustou ou os perseguem. Outros sobem em busca de cura da alma e do espírito, como uma terapia para sua vida. Outros buscam superar seus próprios limites, querendo cada vez mais avançar para o alto. Alguns sobem em busca da paisagem, ledo engano, pois a paisagem é apenas uma isca para você se apaixonar por ela, pela gigante. Alguns outros sobem em busca de resignificarem suas vidas, e quando chegam ao cume ocorre algo que os marca. Suas almas gritam em silêncio, elas emitem um urro estrondoso que rasga os céus e ensurdecem os anjos. Neste momento Deus se levanta e olha para baixo, ELE te vê, ELE vê a sua busca incessante por significado, por sentido. Nesse momento a sua sensibilidade pela vida, pelas pessoas, um interesse genuíno começa a brotar. A vida começa a fazer sentido... A brisa acaricia seu rosto, a paz invade seu ser, a fragrância d

Olhar irreal VS Olhar real

Imagem
Olhar irreal VS Olhar real Até quando o virtual tomará o lugar do real? Até quando a presença vai estar permeada de ausência? Até quando deixaremos de levantar nossos olhos para olhar nos olhos de quem amamos? No virtual você não olha nos olhos, você olha uma tela. Tome coragem de levantar o seu rosto e olhar dentro da íris de quem você gosta. Olhe ao ponto de deixar a pessoa desconcertada, olhe ao ponto de enxergar a sua alma. Sim a alma, utilize os olhos e penetre por estas janelas. Descortine a alma dessa pessoa, olhe dentro e não apenas fora, olhe com a alma e não com a razão. A irracionalidade do amor, quando amamos o imperfeito, pois também o somos.  Olhe ao ponto da pessoa mesmo em uma festa e ao longe, saber que você está olhando pra ela, para dentro dela, só pra ela, onde em um breve segundo a música pára e todo o entorno desaparece, e você olha a pessoa vindo em sua direção com se estivesse caminhando por sobre nuvens, ah aqueles pés, ah aquele rosto com um sorriso tímido de