Confluência...


Confluência...

O pintor do universo pintou a confluência dessas águas, ao olha-lás é inevitável o seu coração não se encher de alegria.

É inevitável sua alma não sorrir...
É inevitável não nos esquecermos de nossos problemas...
A transitoriedade da vida não pode nos impedir de nos vislumbrar-mos com esta pintura.
Quem foi Monet? Ele foi um artista que copiou as obras pintadas na natureza.

Ah, ele teve um mestre, ele teve uma inspiração, sim ele teve!

Veraz é a formusura da água que rola por sobre as rochas, tenaz é sua insistência em passar entre as fendas.

Fendas das rochas, das pedras.

Olho para os céus e oro a Deus para que as aguas do seu amor possam fender as rochas que existem em meu coração.

Talvez tenha desaprendido a amar, mas sei que estas águas de forma amorosa irão erodir as paredes do meu coração.

Autor: Anderson Ribeiro Sousa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vale do Trovão

A represa!

Quando te Conheci