A Flor Silvestre e o Jardineiro

A Flor Silvestre e o Jardineiro

No caminho da vida muitas flores são compradas ou roubadas.

Quando ficam amareladas, são descartadas, quando algumas pétalas caem são postas de lado. 

Alguns outros com um certo cuidado exercem de paciência e colocam em um jarro com água e lhe dão uma sobrevida.
Elas duram até o próximo buquê, até a próxima troca, a água é jogada fora junto com as flores antigas.

Vidas que não deixaram raízes, raízes que foram impedidas de crescer, pois para virar um buquê o seu caule é limpo e seus espinhos removidos.

Um jardineiro quando sobe a montanha e se depara com uma flor silvestre ele fica inebriado com sua beleza, então a retira com todo cuidado e a leva para casa.

Ele procura o vaso mais adequado, coloca a melhor terra para acomodar suas raízes, ele fica horas contemplando sua beleza e quando uma pétala cai ele imediatamente entende que é a hora da troca de terra, é o momento em que a planta requer mais atenção, momento de sua fragilidade, pois sua beleza está passando, o jardineiro não enjoa da planta e sabe que a flor dela nasce de tempos em tempos.

Ele cuida dela com todo o carinho, muitas vezes suas mãos são feridas por seus espinhos, na ausência de beleza é justamente o momento onde ela precisa de mais ajuda, precisa ser acariciada e cuidada. O jardineiro enxerga a beleza da planta, enxerga seus valores, sua real forma e não só a passageira. Por isso ele não a abandona.

Na primavera aquela planta dá a sua melhor flor a cada ciclo, pois o amor do jardineiro cresce à medida que a conhece, se apega à medida que cuida, que nutre.

Ele não deseja buquês ou vasos com água e muito menos um botão de flor.

Mesmo que por algum motivo da vida ambos se separem, ela, a flor sairá de sua casa mais bela e com mais vida.

Mas na verdade ele não cuida dela pensando em perdê-la. Ele cuida porque gosta, porque existiu um sentimento desde o início.

Ele cuida porque esta é a função do jardineiro.

Por isso procuro olhar além do que os olhos podem ver, procuro a flor silvestre, procuro aquela que será cuidada e fará parte de um jardim.

Enquanto não se encontra, preciso aprender mais jardinagem.

Autor: Anderson Ribeiro Sousa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vale do Trovão

A represa!

Quando te Conheci