Síntese do ser


Síntese do ser

Sentado na vida de frente para mim mesmo.

Aprendi a observar o tempo.

O tempo é como a água de um rio que insiste em correr, se tentar represá-lo ele evapora, se deixá-lo correr ele se esvai.

O tempo é a água da vida que refrigera e vivifica.
Lembro-me do calor ao qual somos submetidos, às vezes com tamanha brutalidade que nossa estrutura se retorce como o aço sob fogo intenso.
O que fazer de escombros e ferro retorcido, o que fazer do que achávamos que éramos anteriormente, mas na verdade só sobrou aquele presente.

O presente passou.

O fogo apagou, às águas continuaram a correr.

Dois "EUs" a antítese de quem eu era frente a tese do que eu achava que deveria ser.
Hoje me coloco novamente a me observar, e frente a tese e a antítese percebo Deus trazendo algo a realidade.

"A síntese do ser"

Ser alguém que eu nem imaginaria ser, escrever coisas que eu nem pensava em escrever, fotografar imagens que eu nem imaginaria ver, vivenciar coisas que eu nem imaginaria crer.

Tudo se resume a uma luta, uma guerra contra o "eu", uma batalha diária dando o melhor de si de forma a Se superar, pois ser igual a ontem não basta, preciso ser melhor.
Preciso subir uma montanha mais alta.
Preciso ser relevante de alguma forma, preciso deixar um legado, uma marca no mundo.
Nem que seja através de pequenos textos, pois se um deles ajudar uma única pessoa sequer, já terá valido à pena.

Autor: Anderson Ribeiro Sousa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vale do Trovão

A represa!

Quando te Conheci